terça-feira, 8 de novembro de 2011

Publicidade Criativa - O que fazer e o que não fazer

Publicidade Criativa - O que fazer e o que não fazer
Para muitas empresas, para não afirmar que são todas, necessitam de recorrer a serviços especializados de publicidade. Outros recorrem aos recursos humanos internos, outros a si próprios e outros a plagiar a publicidade do concorrente mais directo. É normal assistir nos dias de hoje a uma publicidade que é claramente direccionada a expor os pontos mais fracos dos concorrentes em detrimento de promover os seus pontos fortes. Os casos mais conhecidos são os da publicidade a grandes superfícies de venda de bens alimentares (hipermercados), temos assistido a uma constante provocação entre os mesmos, ou é porque uns só são baratos num dia da semana, outros por ter ou não os cartões, outros por serem mais amigos da agricultura portuguesa, etc... Mas, o que o consumidor ganha com isso? Até que ponto não se está a cometer falta de ética uns para com os outros? Eu pessoalmente acredito na publicidade que promove o "que temos de bom" e não "o que os outros tem de menos bom".
Tenho assistido também infelizmente a muitos casos de verdadeiros followers, a publicidade muito bem conseguida por alguns comediantes nacionais, levou a que surgisse no mercado a tentação de fazer todas as publicidades em formatos cómicos, seja para que produto ou serviço for, independentemente do target, erro crasso. As publicidades deste formato mais conseguidas (meo, frize, cartão bancário) são publicidades que são escritas por quem sabe realmente o que está a fazer e principalmente, são feitas com comediantes com um talento natural. 
Tenho assistido a publicidades/promoções que ao tentarem passar uma imagem divertida, que são "tudo malta fixe" na empresa, de "espírito aberto e brincalhão", apenas e só transmitem uma mensagem de irresponsabilidade e de descrédito total. É necessário se aperceber que não consegue com 5 euros, plagiar uma publicidade que custou milhares de euros, além de não ser ético, etc... Eu, pessoalmente se vou ver o historial de uma empresa desconhecida e começar a ler textos cómicos ou pior que isso, a tentarem ser cómicos, vou seguramente reflectir "o que eu ando à procura", se for de produtos para comédia, tudo bem, se for por exemplo para fazer a contabilidade da empresa, serviços administrativos, etc. de certo que não irei solicitar informações. 
Existe publicidade que só nos podemos dar ao "luxo" de a fazermos se gozarmos já de uma boa reputação no mercado onde estamos inseridos. Podemos fazer, mas não a 100 por cento, incluam no máximo uma quarta parte, passem uma imagem de divertidos, mas não, de falta de seriedade e empenho.
Antes de qualquer acção a tomar, o primeiro ponto é saber quem é o target a quem se destina a acção de marketing. Todos os responsáveis sabem quem são ou deviam saber quem são efectivamente os clientes (o que procuram, o que desejam) sejam os que estão no marketing, na gestão, os comerciais, os administrativos, etc. todos na empresa devem saber e todos nos somos clientes também o que nos dá legitimidade de pensar como clientes. 
Recomendo envolver nas acções um elemento de outros departamentos nas acções alternadamente, uma vez um do administrativo, outra vez outro do design e assim consecutivamente. 
Além de estimular a participação de todos na vida da empresa, aumenta a satisfação dos colaboradores e por vezes as melhores ideias vem de onde menos se espera.
Lembre-se sempre que por muito bom que seja o slogan, todos olhamos em primeiro lugar para a imagem, aplique-se muito na imagem da campanha e claro que é fundamental a imagem passar a mensagem do slogan, uma excelente imagem e um excelente slogan/mensagem podem não "coabitar" bem juntos se transmitirem informações diferentes. 


Tudo tem de passar a mesma mensagem. 
Pense nos seus clientes e pense em palavras chave, por exemplo: satisfação, qualidade, confiança. Imagine que estas são as palavras chave que quer transmitir aos clientes, pegue nas mesmas e indique-as á sua equipa de trabalho e a partir dai tudo será baseado nessas palavras. 


Quando lhe mostrarem uma proposta veja se é o que lhe transmite de imediato, se tiver de estar uns minutos para perceber, peça outra proposta. Quando tiver duas ou três boas propostas, mostre a um grupo restrito de clientes da sua confiança (aqui, também está a fortalecer a relação com estes clientes). Pegue nas propostas e saia do gabinete, peça aos seus colegas ou colaboradores, para darem a opinião, aqui a qualquer um, nem que seja o que distribui os cafés, envolva todos, mas de forma alternada claro (a não ser que seja uma pequena empresa).
Nota: Campanhas para clientes e campanhas para potenciais clientes são e devem ser diferentes, não queira economizar e fazer "tudo pela mesma bitola" porque pode ser preferível, ficar sem fazer nada. Fazer mal e prejudicar, é preferível não fazer.


Vídeo de publicidade criativa


Vídeo de publicidade criativa de forma cómica

0 comentários: