sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Conversar é trabalhar

De acordo com a consultora Deirdre Borden, os gestores de todos os ramos aplicam 75% do seu tempo em interacções verbais. Estas interacções, são diárias e incluem o diálogo cara-a-cara. conversas telefónicas, video-conferências, apresentações para grupos pequenos e - com uma frequência cada vez maior - falar em público para uma vasta audiência.


Apesar de uma parte importante do trabalho do gestor ser dedicada à escrita - nomeadamente os projectos e ideias de maior âmbito - grande parte da preparação para as decisões que estes envolvem acontece de forma oral. Os gestores transmitem e adquirem a maior parte da informação necessária para as suas funções falando uns com os outros. A maioria dir-lhe-á, de facto, que não abdica dos briefings com um grupo de colegas para voltar para o seu canto no escritório. Esses briefings, conversas e apresentações são o seu trabalho.


Assim sendo, vale a pena perceber a razão de os gestores falarem entre si ou para uma audiência. Muitas vezes, será por não terem outra escolha. Enquanto gestor, irá deparar-se várias vezes com a necessidade de falar sobre um tópico que preferia não ter que discutir  perante uma determinada audiência. Ter que se dirigir ao comité executivo da empresa para discutir as razões de ter ficado aquém do orçamento trimestral não é um momento feliz para ninguém. Mas tem de o fazer porque faz parte das suas responsabilidades enquanto gestor. Muitas das apresentações são feitas por lhe serem pedidas ou porque tem de as fazer. Falar, nessas condições, não é fácil, mas não precisa, certamente, de ter medo de o fazer. 


Continuação -->

0 comentários: