quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Conversar é trabalhar - Parte II



Parte II do artigo:


Contudo, muitas dessas ocasiões ocorrem de forma voluntária. Inúmeras vezes, fala por opção própria. Por exemplo, decide passar por um grupo de colaboradores para partilhar uma boa noticia: a empresa acabou de fechar um contrato em que eles trabalharam imenso para o conseguir. Poderia ter partilhado essa informação numa simples mensagem de e-mail ou até num memorando, mas preferiu ver as caras deles, ouvi-los a congratularem-se e vê-los a saudarem-se uns aos outros pelo excelente trabalho realizado.


Noutras ocasiões, pode estar perante a situação de ter de explicar à turma do seu filho, que está na escola primária, o que faz na vida, é capaz de ser mais complicado que uma reunião com os seus colaboradores. Pode, de igual modo, aceitar um convite para falar num almoço num clube de rotary, lions, etc... Cada oportunidade que aproveita para discursar e cada discurso que faz, aumentam a sua confiança, reforçam a sua competência, segurança e capacidade de falar bem em público.


Qualquer oportunidade para falar, mesmo não planeada, torna-se uma ocasião para poder mostrar o que sabe e demonstrar as suas capacidades.


Joan Finnessy, vice-presidente do departamento financeiro da Fisher Scientific International descobriu em primeira mão isso mesmo, em funções anteriores: "...Há uns anos, trabalhava como chefe de divisão numa empresa que fez uma conferência para os seus colaboradores em todo o mundo. Era pedido, a todos os auditores, que fizessem uma apresentação nessa conferência. A nossa empresa tinha comprado outra, recentemente, mas nós não sabíamos que se pretendia fazer uma reorganização e reduzir o número de auditores. Os gestores de topo estavam, obviamente, na audiência. Todos tivemos direito a alguns minutos na "ribalta". Alguns auditores fizeram um excelente trabalho, mostrando bons dotes de apresentação e bons conteúdos. Outros não se saíram tão bem. Partiram do principio que a apresentação serviria para divulgar mês depois, contudo, os auditores que não mostraram grandes competências de apresentação estavam em negociações para rescindir o contrato. Apesar de nada ter sido dito sobre uma possível ligação entre as fracas apresentações e posteriores rescisões, apenas os que não tiveram um bom desempenho foram despedidos..."


Mesmo que não lhe tenha sido expressamente dito que será avaliado durante uma apresentação, uma coisa é clara: está. de facto, a ser avaliado. Controlar a situação e preparar-se para se sair bem são os dois segredos para ter sempre avaliações positivas.


Parte I do artigo

fonte utilizada: o segredo das apresentações de sucesso

1 comentários:

Muito bom ;) Abraço, Rui Tavares.