segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Gerindo-se a si próprio

Os trabalhadores do conhecimento vão, provavelmente, durar mais do que a vida média das próprias organizações onde vão trabalhar (a esperança de vida de uma empresa de sucesso é de cerca de trinta anos). Vão ter de trabalhar, ainda que a tempo parcial, até cerca dos 75 ou mais anos. Por outras palavras, a vida média de trabalho vai ser de uns 50 anos ou mais. Sendo assim, cada um de nós vai ter de estar preparado para mais do que um emprego, mais do que uma profissão, mais do que uma carreira! Vai ter de ser o CEO* de si próprio!

O “trabalhador do conhecimento”, portanto, é sobretudo alguém que incorporou ao seu modelo mental e às suas actividades uma postura mais pró-activa. É aquele também que, tendo em vista a complexidade do mundo em que vive, sabe que ninguém mais detém, sozinho, o conhecimento necessário para que as coisas aconteçam. Portanto, a sua auto-imagem é a de alguém que faz a diferença.

Agora, o talento de uma pessoa não se mede só pelo que ela sabe fazer, mas pelo que pode vir a realizar na empresa, desde que lhe sejam dadas condições para isso. Os conhecimentos devem ser complementados com competências como “paixão, habilidade para o negócio, dedicação ao trabalho, inovação, adaptação a mudanças, ambição, postura, capacidade de aprendizagem e desenvolvimento, empatia, flexibilidade, disponibilidade, criatividade, habilitações, intuição, know-how, domínio de línguas variadas, mobilidade, marketing, networking, persistência, optimismo, comunicação, versatilidade, entre muitas outras...

*CEO - Chief Executive Officer (Director executivo ou director geral).

fontes: mktvendas, adeus teorias gestao, ido.pt

0 comentários: