segunda-feira, 3 de maio de 2010

Princípio de Pareto ou Princípio 80/20 - O que é?


O Princípio de Pareto (também conhecido por princípio 80/20) foi criado no Séc. XIX por um economista italiano chamado Alfredo Pareto que, ao analisar a sociedade concluiu que grande parte da riqueza se encontrava nas mãos de um número demasiado reduzido de pessoas. Depois de Itália, investigou sobre vários países e o resultado foi o mesmo. Após concluir que este princípio estava válido em muitas áreas da vida quotidiana, estabeleceu o designado método de análise de Pareto, também conhecido como princípio 80/20.  
Na economia
A observação inicial foi em relação à renda e riqueza. Pareto observou que 80% da riqueza de Itália era detida por 20% da população. Em seguida, realizou pesquisas sobre vários outros países e para sua surpresa, encontrou uma distribuição similar aplicada.
 
Em software
Em programação e teoria de controle de engenharia, tais como para conversores de energia eletromecânico, o princípio de Pareto pode ser aplicado a optimização de esforços. Por exemplo, esta regra está implementada no Mozilla Firefox.

A Microsoft também observou que, através da fixação de 20% nos bugs reportados, a maioria dos 80% dos erros e falhas eram eliminados. 

Depois existem um sem número de outras aplicações onde pode ser utilizado, bem como estudos que dão força a este principio, como exemplo:

Em biologia do desenvolvimento humano o princípio reflecte-se no período de gestação em que o período embrionário representa 20% do total, com o desenvolvimento fetal levando o resto da época.

Nos cuidados de saúde nos Estados Unidos, verificou-se que 20% dos pacientes utilizam 80% dos recursos em saúde.

Vários estudos de criminologia descobriram que 80% dos crimes são cometidos por 20% dos criminosos.

Nota:
O Princípio de Pareto também tem sido usado para atribuir o aumento da desigualdade econômica no E.U.A. a "habilidade com viés da mudança técnica" - ou seja, o crescimento da renda reverte para aqueles com a educação e as competências necessárias para tirar proveito das novas tecnologias e globalização.

No entanto, o vencedor de um Prêmio Nobel de Economia - Paul Krugman - no New York Times " julgou este "80-20" falácia como sendo já "não porque é verdade, mas porque isso é reconfortante. Ele afirma que os benefícios do crescimento econômico dos últimos 30 anos têm sido amplamente concentrados no top 1%, ao invés de 20% superior

fontes utilizadas: wikipedia; new york times, top forbes, manual da economia política

0 comentários: