quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Ser Pago Pelas Suas Distracções


Empresas como o Google incentivam realmente os seus colaboradores a gastarem 15 ou 20% do seu tempo neste tipo de descoberta desconcentrada, sem importar a quão desordenada possa parecer. Em vez de ter as pessoas a trabalhar em casa ás escondidas, onde a ideia poderia morrer por negligência ou ganhar raízes de tal forma que preferissem sair da empresa e criar uma start-up, a regra dos vinte por cento do Google é uma forma de incentivar e apoiar ideias inovadoras.


Krishna Barat, um cientista do Google, desenvolveu o Google News desta forma. Os seus interesses pessoais nos media e as suas memórias, a ouvir a BBC com o seu avô na Índia natal, foram galvanizados pelo 11 de Setembro, quando o fluxo e confusão de informações sobre o dia, mostrou como era difícil encontrá-las e organizá-las. Depois de obter o apoio dos fundadores (Larry Page e Sergey Brin) e a ideia aprovada pelo CEO (Eric Schmidt), o sonho de Barat tornou-se numa tarefa a tempo inteiro.


Infelizmente a maioria das pessoas pensa é o contrário, é que é preciso concentrarmo-nos tarefas do nosso trabalho. De facto, você pode sentir que não tem dinheiro, tempo ou energia suficientes para fazer um desvio, para explorar uma paixão potencial, particularmente se a sua empresa não o apoiar. Se for como a maioria, tem de trabalhar para pagar a casa e para cuidar dos que lhe são mais próximos e atira com as outras paixões para trás das costas, até ao dia em que outras necessidades criticas ou objectivos surgirem.


Como provavelmente sabe, essas mesmas preocupações e limitações foram igualmente reais e ameaçadoras para a maioria dos empreendedores e pessoas de sucesso. Sentiram medo, mas de qualquer forma fizeram-no. Poucas paixões surgem convenientemente pré-financiadas, tem de pagá-las com uma quota-parte de suor para as conseguir concretizar.


Conhecermo-nos a nos próprios é crucial, mas geralmente é o resultado e não um primeiro esforço, para o processo de reinvenção. Descobriu-se que a maioria das pessoas, em primeiro lugar, cria novas identidades de trabalho, á margem, quando se envolve em actividades extracurriculares e projectos de fim-de-semana. A única forma de percebermos o que queremos realmente fazer é experimentando.


Reserve um pouco do seu tempo todas as semanas e experimente outras paixões que tenha. No mínimo irá se sentir melhor “com a vida”.


bibliografia usada: sucesso para durar

1 comentários: