quarta-feira, 25 de junho de 2008

Glossário de Estratégia e Marketing - Parte II

termos marketing portugues
Jingle
Curta mensagem publicitária, ritmada por uma melodia instrumental, ou introdução musical de um spot publicitário, ou um programa de rádio ou televisão.

Joint-Venture
Associação de empresas para o desenvolvimento e execução de um projeto específico. Forma de aliança entre duas ou mais empresa, de modo a criar um novo negócio que disponibilize um produto ou serviço. É normalmente estabelecida entre uma empresa com o capital necessário ao financiamento do projeto, e outra empresa que domina as competências técnicas, os contatos ou ambos. Assim, o franchising pode ser entendido como uma espécie de joint- venture.

Associação de empresas, não definitiva, para explorar determinado negócio, sem que nenhuma delas perca sua personalidade jurídica. Associação de empresas que desejam entrar em mercados novos e/ou compartilhar habilidades, com o fim de executar projetos. Forma de aliança entre duas ou mais empresa, de modo a criar um novo negócio que disponibilize um produto ou serviço.

É normalmente estabelecida entre uma empresa com o capital necessário ao financiamento do projeto, e outra empresa que domina as competências técnicas, os contatos ou ambos. Assim, o franchising pode ser entendido como uma espécie de joint- venture.

Just-in-time / Just-on-time
É uma técnica de gestão e controle de mercadorias que procura minimizar o nível de stocks nos armazéns das indústrias. Criada pela empresa nipónica Toyota, em 1960, o just-in-time foi considerada como uma das ferramentas de gestão que mais contribuíram para o milagre industrial japonês. A ideia base é bastante simples: cada etapa do ciclo de produção só deve solicitar novas encomendas à etapa anterior na medida que precisar delas. Implica igualmente uma redução do número de fornecedores. Richard Schonberger foi o primeiro autor a divulgar a metodologia Just-in-Time nos Estados Unidos. É a prática de logística referente à reposição de stocks. As quantidades e ocasiões de reposição devem ser planejadas de forma a garantir o giro de stock baseado nas informações de procura e baixas de stock pré-analisadas.

Os elementos principais do Just-in-Time são: ter somente o stock necessário, quando necessário; melhorar a qualidade, tendendo à zero defeitos; optimizar lead times reduzindo tempos de setup, filas e tamanhos de lote; revisar incrementalmente as operações e realizar tudo isso a um custo mínimo. Estratégia de produção desenvolvida pela Toyota. Em cada fase de produção, a linha de montagem recebe a peça correspondente na quantidade exara e no tempo exigido, proporcionando o "stock zero". Expressão utilizada no ocidente para traduzir uma filosofia e as técnicas de apoio à produção criadas e aperfeiçoadas pela Toyota (Sistema Toyota de Produção). Este sistema de produção requer que as peças sejam fornecidas ao processo seguinte somente na medida do necessário, com pequeno armazenamento prévio. Requer ainda que apresentem qualidade para evitar desperdícios.

A grande vantagem do sistema “Just- in-Time” (entrega em cima da hora) é a disciplina na qual ele se apoia: os processos sob controlo, ou seja, qualidade, quantidade e regularidade previsíveis. O sistema Just-in-Time é o resultado natural do controle estatístico da qualidade, que, por sua vez, significa controle estatístico da velocidade da produção. Já o Just-on-Time é um sistema que elimina o armazenamento prévio. No Just-on-time temos o abastecimento unitário (lote unitário) no exacto momento de sua necessidade.

Kaizen
Expressão aplicada ao modelo japonês de gestão da qualidade, que significa melhoria contínua dos processos produtivos. Deve ser conduzida pela gestão de topo, mas para ter sucesso, requer o envolvimento e cooperação de todos os elementos da empresa. O princípio básico é incentivar o questionar constante das actividades das actuais estruturas, ao invés de um aderência passiva às normas. Kanban Método de management das empresas integrando numa relação cliente-fornecedor todas as etapas de um processo de fabrico até à distribuição final. A orientação do conjunto efectua-se partindo do estádio final e ascendendo na cadeia. Como cada etapa a jusante do processo pode comandar a montante, a pilotagem do conjunto ascende assim de jusante para montante.

Ex: Cada oficina colocada num ponto qualquer do processo não pode produzir sem ter recebido uma encomenda da oficina ou do serviço utilizado. A aplicação do Kanban assenta portanto não só na regra do stock zero, mas igualmente na de zero defeitos portanto na ausência de stocks de precaução, necessita de uma perfeita fiabilidade dos fornecimentos encomendados, de uma perfeita integração das fases do processo e de uma perfeita confiança entre os parceiros.

Keiretsu
São grupos empresariais japoneses assentes em relações de integração vertical parcial e quase integração vertical. Termo japonês que descreve um grupo de empresas afiliadas com grande poder e alcance no mercado. A sua criação remonta ao período pós-guerra, quando a escassez era generalizada de recursos financeiros e humanos induziu um grande número de empresas de pequena e média dimensão a especializar-se em linhas de produtos restritas, geralmente partes ou componentes, que vendiam depois a fabricantes de maior dimensão para incorporação no produto final.

As grandes empresas beneficiavam da mão-de-obra barata e da flexibilidade produtiva das subcontratadas, e aplicavam os seus recursos limitados na concepção e desenvolvimento de novas produtos, no fabrico de peças mais sofisticadas, na montagem dos produtos finais e na sua comercialização. A institucionalização deste sistema de divisão do trabalho ao longo do tempo deu origem ao Keiretsu nipónicos. A principal característica distintiva dos Keiretsu consiste na sua estrutura vertical formal e hierárquica, assente numa definição clara da posição relativa de cada membro no grupo.

Assim os Keiretsu visam maximizar a competitividade da empresa líder através da redução de custos, reforço da qualidade, aumento da flexibilidade e diminuição do tempo de desenvolvimento, fabrico e entrega em todos os níveis do sistema. No Japão existem seis Keiretsu - Mitsubishi, Mitsui, Dai Ichi, Kangyo, Sumitomo, Sanwa e Fuyo - que dominam boa parte da actividade económica do Japão.

Licensing strategy (estratégia de licenciamento)
Uma firma de um país dá a outra firma, do mesmo país ou estrangeira, o direito de usar uma patente, marca, tecnologia, processo de produção ou produto em troco do pagamento de determinada quantia ou outras regalias.

Líder de Custos (Cost Leader)
Uma empresa numa industria que tem uma vantagem firme de custos sobre os seus concorrentes. Isto consegue-se normalmente fazendo um desbaste geral de custos em todas as áreas de produção e distribuição. Muitas vezes não provém de uma simples e extraordinária vantagem de custos; por exemplo, por encontrar uma fonte de matérias-primas baratas. As vantagens de custos como essa raramente se gozam sozinhas por muito tempo. Qualquer líder de custos deve a sua posição em parte à sua exploração das economias de escala. Por isso de guardar-se contra novos concorrentes que ganhem substancial quota de mercado. Isso permitir-lhes-á ganhar novas economias de escala, e ameaçar a posição do líder de custos.

Líder de Preços (Price Leader)
Aquela empresa de uma industria que toma a iniciativa de subir ou baixar os preços. Na realidade, a maioria das empresas tem pouca liberdade para estabelecer o preço dos seus próprios produtos; não podem fazer mais do que seguir o líder da indústria. Na maioria das indústrias, este líder nem sempre é a mesma empresa. Duas ou três empresas podem ser uma de cada vez o líder de preços.

Quando uma empresa é essencialmente um fornecedor de monopólio, será sempre o líder de preços. A concorrência marginalizada não tem outras alternativas senão seguir o líder. Em qualquer outra situação existem importantes consequências estratégicas em ser líder de preços. O líder tem de ter a certeza de que a concorrência lhe seguirá os passos, e dentro de um adequado espaço de tempo.

Doutro modo, os consumidores podem mudar para os produtos dos concorrentes por causa da diferença de preço, e então permanecerem fiéis à concorrência logo que os preços fiquem de novo ao mesmo nível. Se os concorrentes deixam de seguir o líder durante demasiado tempo, então o líder pode ser forçado a reduzir os preços para o nível dos da maioria. Esse comportamento é típico dos produtos que são altamente sensíveis ao preço.

Liderança
É uma estratégia empresarial em que uma empresa procura ser a líder de um mercado particular, por meio do preços ou qualidade superior.

Líderes de Opinião
Pessoas que influenciam o comportamento de outras relativamente ao acto da compra, mencionando exemplos ou dando opiniões. Os líderes de opinião não são necessariamente os primeiros a adoptar um novo produto, mas é muito importante para o sucesso do produto que estes o aceitem bem. Se forem atingidos pela publicidade dos media, a aceitação do produto pelos restantes consumidores, será com certeza mais rápida.

Linear Averaging
Cria-se uma listagem com os factores mais importantes para tomar a decisão, tais como, a cobertura geográfica dos mercados alvo, a dimensão da empresa, a sua forma de organização e qualidade da força de vendas, a capacidade do serviço pós-venda e o desenvolvimento de campanhas promocionais, a capacidade financeira, a experiência de negócio, o potencial de lucro e possibilidade de controlo de custos a curto e longo prazo.

Outros aspectos não relacionados com o distribuidor devem ser também tidos em consideração, tais como, as características do consumidor ao nível de comportamento de compra e os canais que os principais concorrentes utilizam. No passo seguinte deve-se proceder à atribuição da importância de cada atributo e verificar as alternativas possíveis para cada fator.

ARTIGO COMPLETO
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6
Parte 7
Parte 8
Parte 9
Parte 10
Parte 11
Parte 12
Parte Final

0 comentários: